Back

ⓘ Jornada de Herói




Jornada de Herói
                                     

ⓘ Jornada de Herói

Jornada de Herói é uma história em quadrinhos publicada originalmente em fevereiro de 2003 pela editora norte-americana DC Comics na comemorativa 800ª edição da revista Action Comics. A história envolve a principal personagem da editora e daquela revista: o super-herói conhecido como Superman, numa história especialmente produzida pela celebrar o marco alcançado pela publicação: 800 edições continuadamente publicadas, um feito inédito para revistas em quadrinhos americanas.

Escrita por Joe Kelly, e majoritariamente desenhada por Pascual Ferry e Duncan Rouleau, artistas regulares da publicação, a história contou com arte-final do próprio Rouleau, de Scott Hanna, Marlo Alquiza e Cam Smith, e colorização de Moouse Baumann, Jeromy Cox e Guy Major. Na trama principal, é narrado o "monomito" ou "Jornada do Herói" de Superman, relatando os eventos de sua história de origem de forma a retratar todo o ciclo pelo qual o personagem teria passado na continuidade então estabelecida desde 1986 até se tornar um super-herói.

Adicionalmente, uma série de desenhistas foram convidados para elaborar sequências de uma ou duas páginas em preto-e-branco que seriam apresentadas de forma intercalada com a trama principal. Estas histórias curtas foram também roteirizadas por Kelly, a partir de relatos de pessoas comuns, que haviam fornecido ao autor a sua visão particular do personagem. Para estas sequências, contribuíram Alex Ross, Tony Harris, Bill Sienkiewicz, Dave Bullock, Ed McGuinness, J. H. Williams, Dan Jurgens, Klaus Janson, Killian Plunkett, Jim Lee, Tim Sale e Lee Bermejo. A capa da edição foi ilustrada por Drew Struzan, apresentando a clássica imagem de Action Comics #1, a primeira aparição oficial do personagem, sob um novo ângulo.

                                     

1. Histórico de produção

Quando Eddie Berganza assumiu as funções de editor responsável pelas histórias de Superman, incluindo as publicadas em Action Comics, o personagem vinha passando por baixas vendas, e suas histórias tinham pouca repercussão. Uma nova equipe capitaneada por Jeph Loeb e Joe Kelly tomou para si a responsabilidade de "revitalizar" o personagem. À época o personagem protagonizava quatro diferentes revistas, e elas passaram a ter roteiristas e desenhistas que passariam a trabalhar de forma levemente independente, com histórias individuais, sem a necessidade de se adquirir todas as edições de todas as revistas mensalmente, permitindo aos leitores escolher qual das publicações acompanhar.

Loeb se tornou o roteirista de Superman, com arte de Mike McKone, Ed McGuinness e Cam Smith, Kelly assumiu Action Comics ao lado dos artistas Kano e Marlo Alquiza, Adventures of Superman passou a ser escrita por J.M. Dematteis e desenhada por Mike Miller and Jose Marazan, e Superman: The Man of Steel manteve os artistas Doug Mahnke e Tom Nguyen, com Mark Schultz permanecendo nos roteiros.

A partir de outubro de 1999 a nova equipe começou a promover em suas tramas nas diferentes revistas questionamentos acerca das várias facetas que definiam Superman. Segundo definiria Marcus Medeiros, do site brasileiro Omelete, o objetivo dos roteiristas era evoluir as bases estabelecidas por John Byrne e seus seguidores para conseguir um Super-Homem mais humano - conseqüência de sua criação por Jonathan e Martha Kent - ao mesmo tempo em que resgatariam a magia e a grandeza perdida da Era de Prata dos super-heróis ". Dentre os elementos que retornariam à mitologia moderna do personagem estava a presença de Krypto, o Super-cão e o design de Krypton, planeta natal de Superman.

A proposta para Action Comics era que Kelly elaborasse histórias team-up, focadas na ação mas mostrando Superman sendo confrontado por diferentes personagens, enquanto Loeb abordaria Superman e seu relacionamento com os personagens "básicos": Lex Luthor e as pessoas do Planeta Diário, reaberto logo na primeira história, em Superman #151. Durante o período, Kelly contribuiria com várias histórias significativas para a revista. Sozinho, escreveria Whats so Funny about Truth, Justice & the American Way? em Action Comics #775, e A Heros Journey em Action Comics #800, e estas seriam consideradas duas das melhores histórias já escritas com o personagem.

                                     

2. Publicação e repercussão

Action Comics #800 teve, segundo as estimativas da Diamond, cerca de 46 mil exemplares enviados para as lojas americanas. Após sua publicação, A Heros Journey acabaria não atraindo a mesma atenção do público que Whats so Funny about Truth, Justice & the American Way?, também escrita por Kelly, havia alcançado em 2001, mas foi apontada pela crítica como tão boa quanto a história comemorativa anterior. O site brasileiro "Universo HQ apresentaria resenha dando à história nota "4.5" numa escala de 1 a 5, comentando: "A trama principal da edição. funciona perfeitamente como uma experiência cinematográfica do Homem do Amanhã, direta e emotiva, buscando um entendimento maior sobre o advento do super-herói definitivo. Trata-se de uma verdadeira declaração de amor ao mito por parte do escritor Joe Kelly, que apresenta aqui uma de suas maiores contribuições ao universo das revistas mensais do gênero".

Neal Bailey, em resenha publicada no site "Superman Homepage", apresentaria uma visão igualmente elogiosa da história, que, apesar de ser "simples" e até "repetitiva" em comparação com homenagens anteriores ao personagem, era consideravelmente "inspiradora": "Eu queria algo que fosse o clímax de uma história, com muita destruição, raiva, amargura, tristeza e alterações na continuidade, como Action Comics #700, mas não teve nada disso. E isso é bom, porque a história contada por Joe Kelly apresenta algo que é mais do que tudo isso. É uma afirmação do porque lemos todas as edições anteriores, definindo o que Superman é e como ele se relaciona com o mundo real como forma de inspiração".

                                     
  • chamado de Jornada do Herói é um conceito de jornada cíclica presente em mitos, de acordo com o antropólogo Joseph Campbell. Como conceito de narratologia
  • tem o verbete jornada Jornada ou Jornadas pode referir - se a: Time Changer - filme lançado no Brasil como A Jornada Star Trek - franquia de entretenimento
  • Faces O Herói de Mil Faces é uma obra seminal de mitologia comparada de Joseph Campbell. No livro, Campbell discute a teoria da jornada do herói arquetípico
  • Immrama, ou Viagens cujo foco se concentra na jornada do herói em vez do destino sobrenatural. O herói da echtra é geralmente convidado para ir ao Outro
  • immrama, no plural pertence a uma classe de contos da antiga literatura irlandesa que trata da jornada de um herói pelo mar para o Outro Mundo ver Tír na
  • Herói Nacional, como aconteceu, por exemplo, em 2015. Helga Piçarra. 17 de Setembro - Dia do Herói Nacional Jovens da Banda. Consultado em 16 de Setembro
  • Herói ele é enviado a algum lugar, ouve pedidos de ajuda, etc. CONSENSO CASTIGO: o Herói recebe uma sanção ou punição PARTIDA DO HERÓI o Herói sai
  • o produtivo trabalho de Campbell, O Herói de Mil Faces, discute o que Campbell chama de monomito - o ciclo da jornada do herói uma ideia que ele atribui
  • O Herói de Mil Faces Mais tarde, nos anos 1980, dois documentários introduziram a expressão Jornada do Herói The Hero s Journey na cultura de massas: